Conteúdo para toda família

Fisioterapia
Prof. Dr. Luiz Henrique G. Santos

HÉRNIA DE DISCO LOMBAR: COMO TRATAR?

Coordenador do curso de Fisioterapia do UNIFEG

Diretor clínico do Instituto Sulmineiro de Cabeça e Pescoço

 

Rua Cel JoaquimCosta, 115

Telefone: (35)99182-7771

Guaxupé MG

A dor lombar é uma desordem musculoesquelética muito comum e é considerado como um dos principais problemas de saúde pública. O longo da vida, estima-se que cerca de 39% das pessoas apresentaram sinais e sintomas ligados a dor lombar.

VOCÊ SABIA que apenas 10% das dores lombares que são diagnosticadas tendo como causa a estenose espinhal (que é um fechamento do canal) ou hérnias de disco, e infelizmente mesmo com uma demanda tão baixa, as cirurgias são muito comuns, inclusive em casos como doenças degenerativas do disco e espondolistese (causas comuns e geralmente relacionadas à idade, e sem relação direta com a dor).

Em casos de diagnósticos precisos de hérnias discais, temos características clínicas importantes, e mesmo em casos de atendimento primário realizado pelo Fisioterapeuta (algo muito comum nos dias de hoje), o paciente deve ser encaminhado ao médico. As características indicativas de encaminhamento médico e provavelmente a indicação de procedimentos minimamente invasivos são: Déficit motor e sensitivo (incapacidade de movimento e de sensibilidade) nas extremidades, e isso afeta a velocidade e a incapacidade de percorrer até mesmo curtas distâncias durante a caminhada, por deficiência física e consequentemente funcional. A restrição física pode levar à implicações na saúde e aumento das comorbidades relacionadas a inatividade.

Um recente estudo publicado por Maria Fours e colaboradores (2017) aponta que, ao longo das décadas tem crescido vertiginosamente o número de cirurgias para quadros degenerativos da coluna. A maioria dos estudos informa que, mesmo nestes 10% dos pacientes, o tratamento cirúrgico é considerado como a última alternativa. E que o tratamento conservador com a Fisioterapia (baseada em evidências) tem demonstrado resultados significativos em relação á melhora do quadro clínico e redução das incapacidades.

Um recente estudo (Brinjikjie colaboradores em 2015) demonstraram que 3110 pessoas sem qualquer tipo de dor na coluna e apresentavam alterações como protusões discais, degeneração do disco, osteófitos (“bicos de papagaio”), abaulamento discal, achatamento discal, entre outras informações que VOCÊ e EU vemos todos os dias em exames por imagem de pacientes com dor. Isso só mostra que as alterações de imagem, não possuem grandes valores quando entendemos que a dor é processada no sistema nervoso central e depende de muitos fatores (psicológicos, sociais, emocionais, sono, biológicos etc). Por entender que os estudos demonstram que as Hérnias discais podem ter redução espontânea em até 2 anos e com uma excelente Fisioterapia, há redução total dos sintomas em no máximo 7 meses, podemos afirmar que a cirurgia é o último caminho.

A ciência mundial tem nos oferecido informações que nos dá suporte para informa-los, de que quanto mais precoce procure um profissional de saúde para avaliação e tratamento para a dor lombar. E quando se trata de sinais e sintomas de perda ou aumento de sensibilidade nas pernas, com perda de força significativa o exame por imagem deve ser solicitado para um melhor diagnóstico. Para cerca de 90% dos casos, não deveria ser solicitado os exames por imagem (evita radiação no paciente, e informações desnecessárias para o tratamento ser iniciado).

A recomendação mais importante, é que o paciente procure ajuda profissional assim que aparecerem os sintomas, para evitar que a dor se torne crônica.

Evite fazer exercícios que o vizinho recomendou ou que viu em um blog na internet, pois, pessoas com o mesmo problema que você muitas vezes precisam ser atendidas pensando na sua individualidade. Portanto, alguns exercícios que são indicados para algumas pessoas, podem não funcionar, ou piorar os sintomas em outros pacientes. Pense nisso!

 

INSTAGRAM

Curta esta página no Facebook

Poste no seu Twitter

© EDITORA MÍDIA LTDA | Av. Conde Ribeiro do Valle, 255 | 2º Andar | Sala 8

Telefone: (35) 3551-2040 | Cep 37800-000 |  Guaxupé | MG