Conteúdo para toda família

“MINAS ESTÁ NA UTI”,

DIZ GOVERNADOR ELEITO

 

Ele saiu da terceira colocação nas pesquisas para vencer no 1º turno, deixando o atual Governador Fernando Pimentel (PT) fota do 2º turno, e derrotando o senador Antonio Anastasia (PSDB)  com uma votação expressiva: 71,8% dos votos contra apenas 28,2% do tucano. Esse é o empresário Romeu Zema, dono de uma rede de lojas que leva seu sobrenome, que conduzirá o Estado a partir de janeiro de 2019. E não será um mandato fácil. Ele assume Minas Gerais em meio a uma tempestade e com problemas sérios a serem sanados de forma praticamente imediata - o que não será possível.

Romeu Zema visitou Guaxupé durante a Campanha. Esteve reunido com empresários e fez caminhada pela cidade. E os eleitores deram-lhe a vitória obteve 78,80% dos votos contra 21,20% de Anastasia.

“Estar em Guaxupé me propiciou  uma oportunidade de conhecer a realidade do município, entendendo suas riquezas e as dores da população. Sabemos que o Sul de Minas é uma região desenvolvida, com potencial para crescimento ainda maior. Temos um olhar diferenciado para cada peculiaridade. Dessa forma, vamos saber como e onde trabalhar em cada lugar”, ressaltou Zema à época da visita a cidade, em 18 de setembro.

Ele enfatizou durante a visita que em sua gestão irá incentivar o desenvolvimento municipal, promover programas de fomento aos consórcios, de capacitação dos gestores municipais e de incentivo à captação de recursos, seja a partir dos instrumentos de repasse previstos, ou contribuindo na atração de investidores externos.

“Esta  região que tem, historicamente, sua base econômica fundamentada na agricultura, assiste a um grande crescimento industrial e tecnológico. No meu governo este desenvolvimento será apoiado por meio de políticas que visam a desburocratização do sistema e a simplificação de tributos para facilitar o ambiente de negócios e torná-lo possível para todos, principalmente aos pequenos e médios empreendedores”.  Com esse pensamento e empenhado no propósito de inovar a gestão do estado, Zema viajou pelo interior de Minas Gerais e propôs novas ações para tirar o estado da calamidade financeira em que se encontra.

O governador eleito Romeu é natural de Araxá, tem 53 anos e é formado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (SP). Sua trajetória profissional começou cedo. Foi cobrador, frentista, balconista, estoquista, caixa, comprador, vendedor, analista de marketing, analista comercial e gerente. Hoje é Presidente do Conselho de Administração do Grupo Zema.

 Seu encontro com o partido NOVO ocorreu naturalmente e o convite para a candidatura chegou em uma etapa de vida propícia. “Desde novembro de 2016, quando programei minha sucessão como principal executivo do Grupo Zema, passando a integrar o Conselho, fiquei com a agenda mais disponível. Tempos depois, quando conheci o NOVO, surgiu o convite ao cargo. Refleti muito e percebi que estava pronto para investir na esfera pública. Considerando o fato de eu não ter um passado político e ainda oferecer um perfil diferente dos demais candidatos, tenho certeza que este é um momento excelente para apresentar propostas de gestão eficazes para Minas”, ressalta Romeu.

​O governador eleito destaca que durante 30 anos atuando na iniciativa privada obteve conquistas relevantes, entre elas, a abertura de mais de 400 lojas do Grupo Zema, representando um alto índice de empregos e negócios gerados nas várias cidades do Estado.

 

DEMANDAS  EMERGENCIAIS

 

A primeira medida de seu governo a partir de janeiro será “cortar a gordura enorme” da máquina pública. “Estaremos economizando milhões por dia”, disse. Dentro dessa perspectiva, o futuro governador listou o corte de secretarias, das atuais 21 para apenas nove pastas. Segundo ele, “por falta de transparência” do atual governo  não é possível fazer o cálculo exato da economia que essa medida irá gerar.

O governador estabeleceu três etapas, que se iniciam com o diagnóstico, a formação da equipe e por fim a preparação dos atos da posse, para que, já no primeiro dia, o governador publique nomeações dentro de uma estrutura administrativa de nove secretarias e 80% dos cargos comissionados não serão recrutados. “Nós vamos ter um grupo dentro do partido que vai analisar os nomes de possíveis secretários de governo, vamos entrevistá-los e até também contratar uma empresa que seleciona executivos. Não podemos errar, porque Minas Gerais hoje é um paciente terminal que está na UTI. Você colocar o médico mal preparado e esse doente pode morrer. Então, vamos fazer um secretariado que eu diria que vai ser um time que Minas nunca teve”, diz o governador eleito.

O governador eleito também anunciou o corte de despesas do que ele classificou de “mordomias para o governador”. Ele adiantou que não irá morar no  Palácio das Mangabeiras, residência oficial dos governadores de Minas Gerais. “Vou morar em um imóvel próximo ao local de trabalho”, mas  não especificou o local.   Zema também disse que irá vender “a mini frota” aérea que serve ao governador do estado e que irá usar carro para se deslocar. De acordo com ele, só  com “as mordomias para o governador”,  o futuro governo deverá economizar R$ 10 milhões por mês.

 

Salários  dos servidores

 

Zema voltou a reiterar que colocar o pagamento dos salários dos servidores até o 5º  dia útil não será feito no curto prazo. “Não sou milagreiro, nem mágico”, destacou, afirmando que a retomada do pagamento sem atraso  não levará menos de dois anos. Até lá, Zema lembrou que nem ele nem os  futuros ocupantes dos cargos de primeiro escalão vão receber salários.

 

INSTAGRAM

Curta esta página no Facebook

Poste no seu Twitter

© EDITORA MÍDIA LTDA | Av. Conde Ribeiro do Valle, 255 | 2º Andar | Sala 8

Telefone: (35) 3551-2040 | Cep 37800-000 |  Guaxupé | MG